Comunicação / Eventos Entidades Externas

4º CIHEL -  Habitação no Espaço Lusófono | A Cidade Habitada
4º CIHEL - Habitação no Espaço Lusófono | A Cidade Habitada

 

Na semana de 5 a 10 de março de 2017, no início do ano académico em alguns países da lusofonia – como Angola, Brasil e Moçambique – e no início do 2.º Semestre em outros países lusófonos, como Portugal, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai encontrar-se, novamente, no Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL), já na sua quarta edição, para discutir, em português, as temáticas do habitat humano, desta vez sobre o tema global: “A CIDADE HABITADA”, estruturado nas seguintes seis matérias principais: assentamentos humanos, modos de habitar, modelos de urbanização nos espaços da lusofonia, novas territorialidades e áreas de alta e baixa densidade, reabilitação urbana, resiliência na construção.

A Semana CIHEL2017 (domingo 5 a sexta-feira 10 de março) tem como principais organizadores a Câmara Municipal do Porto (CMP) e a Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, bem junto à Serra da Estrela, e irá integrar diversas iniciativas: as 1.as Conferências CIHEL, no Porto (5 e 6 de março); o 4.º CIHEL, na UBI, Covilhã (7 a 9 de março); e visitas no Porto, Viseu, Fundão e Aldeias Históricas e do Xisto.

O 4.º CIHEL, à semelhança dos três congressos internacionais que o antecederam – um no ISCTE-IUL, outro no LNEC (ambos em Lisboa) e outro na FAU-USP/FAU-Mack/IAU-USP (em São Paulo) – irá proporcionar conferências, visitas, apresentação de comunicações e exposições e um concurso de Arquitetura para estudantes, num programa rico e extenso, que ocorrerá entre várias cidades (Porto, Viseu, UBI/Covilhã e Fundão), do Norte e do interior de Portugal.

O CIHEL – Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono tem servido como plataforma de discussão e divulgação de muitas das melhores experiências habitacionais, citadinas e territoriais no mundo da lusofonia, ajudando a evitar a repetição, em determinadas realidades nacionais e geográficas, de soluções problemáticas, já aplicadas em outras realidades nacionais e geográficas, onde se fala a mesma língua e onde haverá, no mínimo, uma significativa base cultural comum.

 

Para mais informação, clique aqui.

          

Partilhar facebook Partilhar google+ Partilhar twitter