Comunicação / Notícias (outras)

Câmara do Porto propõe protocolo à Portgás
O diferendo dura há mais de um ano. Desde Novembro de 2001 que a Portgás não faz obras de ligação à rede natural de gás na cidade do Porto, por falta de entendimento com a autarquia quanto ao pagamento de taxas de ocupação do solo.
E enquanto o braço-de-ferro durar vai aumentando o número de pedidos na câmara, sendo que, os últimos dados apontam para cerca de mil pedidos de ligação sem resposta.

Em Janeiro de 2002, a Portgás decidiu unilateralmente deixar de pagar as taxas de ocupação do subsolo à Câmara Municipal do Porto, por entender que o contrato de concessão da empresa é com o Governo e não com a autarquia.
Por seu lado, a câmara entende que a Portgás tem que pagar essas taxas, e que ao abrigo da lei das finanças locais, as mesmas, devem ser cobradas pelos municípios, não devendo, por isso, a Portgás ter tratamento de excepção.

Na tentativa de tentar desbloquear o problema, a CMP propõe um protocolo à Portgás, que contempla uma redução das taxas de ocupação do subsolo, prevendo-se que no ano de licenciamento, a autarquia cobrará apenas 20% do montante total, com aplicação já a partir deste ano.

De acordo com o "Mercado Imobiliário", o protocolo estipula ainda que, nos anos seguintes ao licenciamento, de 2004 a 2006, a redução da taxa seja, respectivamente, de 55% na primeira renovação, 30% na segunda e, em 2006, não deverá ser paga a taxa na totalidade.

Atenta a esta problema, a AICCOPN espera que seja encontrada uma solução de compromisso entre as partes, uma vez que esta situação está a causar "enormes prejuízos junto, não só, das empresas que representamos", mas também, "junto de milhares de munícipes que se encontram privados do normal abastecimento de gás natural".
Partilhar facebook Partilhar google+ Partilhar twitter