Comunicação / Notícias (outras)

Nota de Conjuntura de Maio
Ideias-chave:

i) Portugal caso único da UE com queda do investimento em construção em 2006,

ii) Indicador Global de Conjuntura mantém trajectória de agravamento,

iii) Segmentos habitacional e de obras públicas com pressão sobre os preços.

As Previsões da Primavera, realizadas pela Comissão Europeia vieram evidenciar o fraco crescimento económico que Portugal observará no corrente ano (de apenas 0,9%), colocando o país em último lugar no que concerne ao ritmo de crescimento do PIB. Mas se as perspectivas não são animadoras para a economia nacional, são de grande preocupação no que diz respeito ao sector da construção. Segundo aquela entidade, antecipa-se que em 2006 o investimento em construção tenha um decréscimo de 3,1%. Trata-se de uma forte revisão em baixa das anteriores previsões, que apontavam para um decréscimo de 0,5%. Segundo os dados mais recentes, somente em Portugal haverá uma redução do investimento em construção, ao contrário de todos os restantes estados-membros da UE, onde o investimento em construção aumentará, nomeadamente na Zona Euro, com estimativas de crescimento na ordem dos 3,4%.

Efectivamente, o Indicador Global de Conjuntura da AICCOPN revela que o sentimento dos empresários do sector da construção tem vindo a deteriorar-se significativamente, registando, em Maio, uma queda homóloga de 7,3 pontos percentuais, sendo essa a maior descida de uma série de nove meses consecutivos de variações homólogas negativas. Assim, aquele indicador situa-se actualmente nos -23,7% (medido em saldo de respostas extremas). Este sentimento, apesar de ser comum a todos os segmentos do sector da construção, é mais vincado entre os empresários com actividade nas obras públicas, segmento no qual o indicador registou uma queda homóloga de 11,6 pontos percentuais, situando-se actualmente nos -26,6% (s.r.e.). No mesmo sentido, o indicador de conjuntura do segmento habitacional apresentou uma redução de 4,7 p.p. e o segmento não residencial uma diminuição de 3,8%, em termos homólogos.

No segmento habitacional verificou-se uma deterioração em praticamente todos os indicadores, com maior destaque para os relativos ao nível de actividade das empresas, à carteira de encomendas, que inverteu a tendência de ligeira melhoria, e quanto às expectativas de produção a 3 meses.

Apesar quer da continua diminuição do número de fogos em habitações novas postos no mercado quer do número de licenças emitidas para o mesmo fim, observa-se no mercado habitacional uma diminuição real dos valores da habitação, tal como publicados pelo INE. Tal vem confirmar a enorme dificuldade no escoamento das habitações e revelar o nível da crise que se vive actualmente no sector. Uma vez mais este comportamento do mercado diverge da realidade europeia, sendo que, em 2005, na Zona Euro, segundo o Banco Central Europeu, verificou-se um crescimento real de 5,5% dos preços da habitação

No segmento das obras públicas, a deterioração do sentimento dos empresários foi sustentada pela evolução da carteira de encomendas, que diminuiu 25 p.p. face ao período homólogo, e pelo aumento da concorrência, sentido com especial destaque pelas grandes empresas. Esta situação aumenta a pressão sobre as perspectivas quanto aos preços a praticar nos próximos 3 meses, que se deterioraram em 7,8 p.p. face ao registado há um ano atrás. De salientar que esta perspectiva de diminuição de preços a aplicar ocorre numa altura em que a inflação se encontra ao mais alto nível dos últimos 3 anos, cenário que é agravado pelo aumento dos custos financeiros decorrentes da subida das taxas de juros e pelos recorrentes atrasos nos recebimentos das obras públicas, matéria na qual estudos recentes colocam o Estado Português como um dos piores pagadores na Europa.

Definitivamente, o ano de 2006 ainda não será o ano da tão esperada recuperação económica no sector da construção, no entanto, e segundo as Previsões de Primavera da Comissão Europeia, em 2007 o investimento em construção em Portugal deverá registar um crescimento nulo, que se espera que se transforme finalmente em positivo em 2008.

Para ter acesso ao documento em formato PDF, clique aqui.

Partilhar facebook Partilhar google+ Partilhar twitter