Comunicação / Notícias (outras)

Conjuntura FEPICOP - Dezembro

Tendo por base a informação disponibilizada até ao final de Novembro relevante para a análise da conjuntura da Construção, a FEPICOP conclui que a evolução negativa que o Sector continua a registar resulta, sobretudo, da forte contracção do investimento privado, tanto em edifícios residenciais, como em edifícios não residenciais.

Na verdade e pese embora a evolução razoável do investimento público em obras de engenharia civil registada até ao final de Novembro, a conjuntura do Sector permanece tendencialmente negativa devido ao peso maioritário que as actividades de habitação e do não residencial privado têm no conjunto da produção, as quais continuam a sofrer, com forte intensidade, os efeitos da crise financeira global que ainda se vive. Como consequência da redução de actividade nestes dois segmentos, tem-se assistido, sucessivamente ao longo de 2009, à perda de postos de trabalho no Sector (de Janeiro a Setembro o decréscimo de emprego na construção foi de 8.8%, em termos homólogos), assim como tem, também, aumentado significativamente o número de desempregados mensalmente inscritos nos centros de emprego e cuja ocupação anterior era a construção. Sendo conhecidos os efeitos de arrastamento que a construção detém em muitos outros sectores de actividade com os quais mantém uma forte relação de interdependência, não nos é difícil admitir que a actual crise que o Sector atravessa contribui, de forma directa, para 13% do número total de desempregados e, de forma indirecta, para um peso superior a 20%, logo, em termos globais, a mais de 30% do total de desempregados, isto se tivermos em consideração que cada posto de trabalho (ou de desemprego) na construção gera 2 postos de trabalho na economia (ou de desempregados) devido ao impacto em actividades a montante e a jusante.

Se esta avaliação quantitativa da conjuntura do Sector ainda permanece negativa, embora sem agravamento nos últimos três meses, a avaliação qualitativa continua, também, a revelar-se pessimista embora menos que no início do ano.

Para consultar a totalidade da conjuntura de Dezembro, clique aqui.
Partilhar facebook Partilhar google+ Partilhar twitter