Comunicação / Notícias (outras)

AICCOPN Denuncia

A AICCOPN - Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas, referindo-se ao documento apresentado pelo Governo, que enuncia as linhas de atuação com vista à redução das dívidas aos fornecedores, considera incompreensível que o setor da construção não seja contemplado na estratégia de pagamentos que ali é estabelecida, à semelhança do que acontece para o setor da saúde.

Apontando para o agravamento dos prazos médios de pagamento das entidades públicas, bem patente nos dados oficiais disponibilizados e no inquérito elaborado pela Associação, os construtores referem um montante total em dívida que supera os 1,4 mil milhões de euros, e que continua a crescer, não obstante os compromissos assumidos no Memorando de Entendimento, facto que está a colocar em causa a sobrevivência das empresas e de milhares de postos de trabalho.

No caso das Autarquias, responsáveis por 930 milhões de euros de dívidas em atraso, os prazos de pagamento situam-se, em média, nos 7,9 meses, o que representa o prazo mais elevado dos últimos 3 anos e o segundo pior de sempre e, "ao invés de contribuir para a resolução do problema, o Governo tem bloqueado todas as soluções", pelo que a Associação questiona se esta não será uma estratégia deliberada, que passa por levar as empresas à falência e, consequentemente, por uma tentativa de não pagamento das dívidas, num momento em que se assiste, diariamente, ao encerramento de cerca de 12 empresas e a uma perda de 360 postos de trabalho.

"Não é possível compreender que, enquanto o País sofre as medidas de austeridade impostas em nome do financiamento da economia e do pagamento dos compromissos financeiros, as empresas da construção continuem sem receber as verbas a que têm direito", diz a AICCOPN, acrescentando que tal ocorre num contexto em que enfrentam uma contração sem precedentes nos montantes do crédito concedido pela Banca.

O pagamento das dívidas em atraso às empresas seria suficiente para contrabalançar os 1,3 mil milhões de euros de redução do crédito bancário nos últimos 12 meses, refere, dizendo ainda que se trata de uma atitude imponderada por parte do Governo, que nada faz para impedir o colapso de um setor que representa cerca de um quinto do PIB.

Esta é uma das razões que leva a AICCOPN a apelar a uma grande mobilização dos empresários em torno do 1º Encontro Nacional da Construção e do Imobiliário, que decorrerá no próximo dia 5 de junho, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa, uma vez que é tempo de agir em defesa do setor, de demonstrar que este é uma das soluções para os problemas que o País enfrenta e de evidenciar que, sem o dinamismo desta atividade, Portugal irá parar.

Partilhar facebook Partilhar google+ Partilhar twitter