Comunicação / Notícias (outras)

FEPICOP - Conjuntura de Maio


O número de trabalhadores da construção reduziu-se 19,2% nos últimos doze meses, diminuindo em 74 mil o número de postos de trabalho garantidos pelo sector. Nos primeiros três meses de 2013, a construção empregou 313,1 mil trabalhadores e registou a terceira quebra homóloga trimestral mais acentuada dos últimos 41 trimestres.

Em consequência, o número de desempregados oriundos da construção e inscritos nos centros de emprego ultrapassou os 111 mil, em média mensal, ao longo do primeiro trimestre de 2013, o que constitui o máximo histórico dessa série.

O indicador de confiança na construção registou, em Abril, uma queda menos intensa do que a observada nos três meses anteriores (-0,3% em Abril, após variações homólogas de -39%, -31% e -19%, em Janeiro, Fevereiro e Março, respectivamente). Importa salientar que o primeiro trimestre do ano corrente ficou marcado por condições atmosféricas pouco propícias à actividade da construção.

Ainda assim, as dificuldades com que o sector da Construção se depara não têm vindo a abrandar, como é o caso dos constrangimentos associados ao crédito concedido às empresas. No final de Março de 2013, o saldo de crédito concedido ao setor da Construção e divulgado pelo Banco de Portugal ascendia a 19,5 mil milhões de euros, menos 3 mil milhões que o montante registado um ano antes, o que traduzia uma quebra homóloga de 14%.

Por outro lado, as novas operações de crédito concedido às famílias para aquisição de habitação ascenderam a 447 Milhões de euros durante o primeiro trimestre de 2013, o que traduz uma quebra de 8% relativamente a igual período de 2012. De destacar que há 2 anos atrás, no primeiro trimestre de 2011, o montante destas operações ascendia a 1.734 Milhões de euros.

Em Abril e à semelhança do observado na média dos 27 países da União Europeia, assistiu-se, em Portugal, a uma ligeira melhoria no indicador de confiança da construção, embora este se mantenha num nível bastante reduzido.

Para obter a conjuntira na sua totalidade em pdf, clique aqui.

Partilhar facebook Partilhar google+ Partilhar twitter